Meu Menu Urbano

Sua melhor refeição. Em qualquer lugar do mundo.

Conheça o Café Colonial Walachay, em Morro Reuter

Recentemente, visitamos a cidade de Morro Reuter, no “pé” da serra gaúcha, para prestigiar o Walachay café colonial. Bem conhecido por essas bandas, ele é uma excelente opção para quem quer fugir de locais mais turísticos, como Gramado e Canela, mas ainda assim quer conhecer essa tradição do inverno sulista.

E de saída posso dizer: será uma experiência e tanto!

Não posso afirmar, mas sempre me pareceu que, para quem é de fora do Rio Grande do Sul, é um pouco difícil compreender o charme do café colonial. “É um buffet”, dizem alguns. “Está mais para rodízio”, bradam outros. Mas, no fundo, nenhum desses conceitos consegue expressar a verdadeira graça dessa “modalidade”.

Eu sou uma fã fervorosa de cafés coloniais. Poderia dizer que seja por conta do desbunde que é aquela quantidade de comida à mesa. Mas isso seria simplificar a questão.

Por isso, vamos mais à fundo!

Há diversas versões para o surgimento do café colonial. E, como não gostamos de fake news, é preciso dizer que reproduzo aqui a que mais achei convincente, mas sem poder atestar 100% da sua veracidade.

O café colonial teria nascido lá pelo século XVII, quando senhores de engenho tomavam abastados cafés da manhã (tipo aqueles do núcleo rico das novelas do Manoel Carlos, mas muito melhores!). Mas eles mal tocavam nos pratos. Assim, o que sobrava era servido à tarde para os serviçais — sendo chamado de “café de colono”.

Muitos anos depois, já sendo uma tradição estabelecida na Região Sul do Brasil (nas demais, aparentemente, a moda não pegou), o nome passou a ser café colonial. Diz-se que por aqui ele vingou pelo pareço dos alemães por uma mesa sempre farta.

Então, acho que posso dizer que gosto do café colonial porque sempre preferi me sentar à mesa com os “colonos” mesmo.

De qualquer maneira, voltemos ao Walachay.

O local é muito próximo da capital Porto Alegre, cerca de 60 km (uma hora de carro), e próximo à entrada da cidade. Ou seja, bem fácil de encontrar.

A pequena e simples casa fica na encosta de um vale lindíssimo. Da área externa do café, onde há mesas e banquinhos, se tem uma visão privilegiada, que em dias de sol deve presentear visitantes com vários tons de verde, céu azul e diversidade de pássaros. Infelizmente, no dia que fomos até lá, choveu bastante e a neblina cobriu tudo.

Faz parte, a vista ficará para a próxima!

Ao entrar no ambiente, você já tem aquela sensação de conforto. À mesa, me chamou a atenção o conjunto esmaltado de bule e canecas. A casa da vó de vocês também tinha um? Memória afetiva é sedutora.

E por falar em mesa, essa é mesmo a grande sensação da casa. Mal sentamos e atendimento superágil já encheu a nossa de guloseimas sensacionais. Bolos, pães, cucas, rocamboles, strudel, frios, melado, mel, geleias e embutidos caseiros, carnes, conservas… a lista é grande! São mais de 50 pratos doces e salgados. E mais uma vitrine de tortas com uma penca de opções para todos os paladares. Tudo feito pelas proprietárias e com ingredientes frescos locais.

De verdade, nada do que provei era ruim. E eu provei muita coisa!

Mas havia destaques, claro. O bolinho de aipim e o croquete de carne foram os melhores que já comi na vida. Sequinhos, crocantes, saborosíssimos! Sem exagero. Perdemos a conta de quantas repetições pedimos, sem vergonha alguma, deleitados por aqueles petiscos.

Tudo isso acompanhado de um suco de uva concentrado (mas há outras opções, como cerveja e vinho, que estão fora do valor fixo por pessoa, que é de R$ 62,00).

Comemos até cansar, mesmo. Chegamos por volta das 13h e saímos quase 16h completamente satisfeitos. Mas já pensando em voltar.

Então, se você é turista e está pensando em aproveitar a serra como se deve, não deixe de visitar um café colonial com tempo, para se deliciar, colocar a conversa em dia em um ambiente aconchegante e curtir o visual serrano.

Se você não é turista, vai também, porque sim. Já conhece? Vai de novo, porque você merece um carinho.

E o Walachay é um carinho gastronômico muito bem-vindo.

 

Walachay Café Colonial
Estrada do Walachai, 334 (Km 50) – Morro Reuter – RS
GPS: Lat -29.524272(-29° 31′ 27.38″) | Long -51.067246‎(-51° 4′ 2.09″)
Fones: (51) 9156-4206/9102-8269 // www.cafewalachay.com.br
OBS: o local tem espaço kids, com brinquedos e livros para os pequenos.
café colonial serra gaúchaCafé Colonial WalachayMorro Reuter

Roberta Lemes • 28 de novembro de 2018


Previous Post

Next Post

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.